Suzumiya Haruhi no Yuuutsu

Um forúm para os amantes de SHY
 
InícioInício  PortalPortal  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 FANFICS!!!!

Ir em baixo 
AutorMensagem
Suzumiya_haruhi
Tsuruya
Tsuruya
avatar

Feminino Número de Mensagens : 107
Idade : 22
Localização : Onde a Haruhi estiver! E o choco também!
Personagem favorita de SHY : A minha personagem favorita de SHY é a Suzumiya, porque é um pouco parecida comigo, tanto fisicamente, como psicológicamente.
Data de inscrição : 10/07/2009

MensagemAssunto: FANFICS!!!!   Sab Set 26, 2009 5:20 am

Mostrem aqui as vossas FanFics!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Digi-Alchemist
Tsuruya
Tsuruya
avatar

Masculino Número de Mensagens : 79
Idade : 36
Localização : Rio de Janeiro ~ Território Celular, não Espaço Restrito!
Personagem favorita de SHY : Suzumiya Haruhi

http://livrodeharuhi.blogspot.com/
Data de inscrição : 02/05/2010

MensagemAssunto: Re: FANFICS!!!!   Dom Maio 16, 2010 6:38 pm

**** A MORTE DE KYON ****


Depois do fim da Brigada SOS, Kyon aparecera morto junto à entrada da Torre de Tóquio. O que acontecera?

Será que ele havia se jogado de lá de cima?

Se assim tiver sido, ou mesmo se não, entendo-o. Se aquela mente irreversível de Suzumiya Haruhi não pudera ser mudada, então a única solução era se afastar dela. Porém, em vida, isso era praticamente impossível. “Melhor será viver solitário, do que com uma rixosa por companhia” ecoa pelos séculos. Um ditado sábio, de há muito. Ainda mais quando a tal rixosa de que se fala é, ningúem menos ou diferente de, Suzumiya Haruhi.

Kyon dela se livrar — ou não — em vida certamente será impossível. A menos que ele possa se mudar para aquela ilha oculta do mapa, lugar que certa vez eu vi no filme “A Colônia”, para a qual o protagonista, interpretado por Jean-Claude Van Damme, fora levado... Mas esse lugar não existe, realmente. Isto é coisa de filme de Hollywood, apenas.

Repito: a menos que ele possa encontrar algum lugar oculto na terra, fora do alcance de Suzumiya Haruhi, ele terá que sair do mundo. Sem outra escolha, ele terá de deixar este plano.

E assim ele fez. Depois das aulas, ele tomou um rumo diferente. E, em vez de, instintivamente, subir aquela ladeira, como houvera feito em cada dia de aulas nos últimos três anos, a fim de chegar à sala da Brigada, ele caminhou até uma estação de trem. Ele paga a pasagem e aguarda na estação. Conferiu se até aquele momento alguém o havia seguido. Nesse instante, o trem chega, e nele Kyon embarca.

A este momento de ócio, lembranças lhe vêm à mente. Afora todas as coisas estranhas que aconteciam a ele, ou perto dele, quando estavam reunidos na sala da Brigada ou em outra parte... Afora todo fato incomum, canhestro, inusitado, por ele testemunhado (e, por vezes, vivido na própria pele!), Kyon percebe que todo o resto, tudo o que acontecia de forma coadjuvante aos estranhos fenômenos provocados ou não pela Haruhi, parecia se repetir em uma sucessão ordenada de fatos corriqueiros, previamente agendados por alguém. Alguém esse que poderia ser a Skuld, uma das Nornas, que junto a Urd e a Verthandi, a tríade de deusas do destino na mitologia nórdica. Ou, quem sabe, qualquer dos senhores de dinheiro a nos monitorar, usando o ECHELON para nos bisbilhotar a cada passo. Ou, quem sabe, a própria Haruhi estivesse por detrás de tudo disso.

À vista de todas essas coisas, percebemos haver um ser. Um ser transcedente que está a nos acompanhar a cada dia de nossas existências. E Kyon, como um ser normal, não estaria, é claro, fora da jurisdição desse dito ser — seja este ser Haruhi ou não.

Lamtoche. Pelo áudio do trem, o condutor anuncia a próxima estação. Tóquio. “Finalmente”, diz Kyon consigo.

Saindo da estação, Kyon segue pelas ruas o caminho estritamente necessário. Em meio às outras pessoas ele se mistura, e com elas ou por entre elas, caminha passo a passo. Seu andar melancólico prossegue, até que avista, de relance, o alto da Torre de Tóquio. Nesse momento, uma distância de cerca de trezentos metros o separa da construção. Ele cobre essa distância no mesmo ritmo que seguia desde a estação. À semelhança de Yuki Nagato, ele seguia sem dar atenção ao que acontecia ao seu redor. Em sua face, expressão alguma havia. Em seus olhos, apenas triste melancolia. E os trezentos metros horizontais se acabaram quando Kyon se aproxima da entrada da torre. Ele, pois, adentra ao ambiente e segue rumo ao elevador que o fará vencer a distância vertical que havia entre o mirante e o solo.

Dentro do elevador, ele põe seus olhos no painel eletrônico. Este indicava que faltava pouco mais de meia hora para o encerramento das visitações. 34 minutos, para ser mais exato. O elevador começou então a subir, indo sem parar até o alto da torre.

Faltava meia hora para a torre fechar as portas. Junto às janelas de vidro, Kyon contemplou cabeças. As Cabeças de Krumn. Cabeças de uma multidão que, de noitinha, pareciam tomar conta das ruas daquela megacidade. E ali, ele meditou sobre sua vida. Tudo que havia ocorrido nos seus últimos três anos... Cenas se passavam como um filme em sua frente. Um filme confuso. Por vezes, assustador. Como ele havia aguentado a louca da Suzumiya-san por cerca de mil dias? Mil dias! Quase mil e cem, em verdade, quando contados com os domingos, feriados e dias de recesso escolar, vulgo férias escolares. Como?

Talvez, a resposta para estas inquietantes questões sobre a Haruhi, sobre Kyon, sobre a Brigada e tudo o mais... Talvez, tudo isso esteja fora de nosso alcance. Talvez.

— EU TE ODEIO, HARUHI!

Uma voz masculina forte ecoa pelos cantos. Um grito. Um clamor do fundo da garganta de alguém. Incompreendido pela incompreensível.

Com a força de um furacão, como o Katrina, uma cadeira atravessa o ar, rumo a janela de vidro. Este, não resistindo à energia cinética do objeto voador que está em sua direção, cede, quebrando-se em vários pedaços. Todo o vidro de um inteiro vão da janela cede, e uma chuva de pequenos cacos de vidro irrompe lá do alto. Logo atrás dela, um vulto corre, alçando um alto voo rumo à inexistência do vazio de lá fora. Liberdade, como o voo de escape de uma Coréia do Norte comunista, sedenta por sangue. Até que eu morra e diga adeus, ninguém nunca irá me pegar!

O pesado vulto adquire velocidade. Na vertical. E para baixo. Centenas de metros pelos quais os ares corta, enquanto uma rápida sucessão de cenas, quais fotogramas dum filme, se passam em sua mente. Uma mente, outrora normal, que, devido à exposição e convivência com uma mente irreversível, tornara-se por demais confusa. Embora se esforçasse por resistir, Haruhi não lhe deixara escolha.

Porém, tais cenas deram lugar a uma escuridão, negra como a noite. E o barulho de um objeto não aerodinâmico a cortar os ares durante a queda deu lugar ao silêncio absoluto. Um silêncio. Ensurdecedor. Ou a surdez, a própria.

— Que foi que aconteceu?

— Parece que alguém se atirou de lá de cima.

— Quem será ele?

Um burburinho tomou conta daquela parte da rua. Curiosos se ajuntaram ao redor daquele corpo inerte. Daquele corpo que, por longos três anos, se viu irrespnsavelmente puxado para cá, para lá, por uma guria de cabelos amarrados do jeito peculiar, envoltos por uma fita amarela. Uma guria cujos olhos cor de ébano muitas vezes estiveram a encarar aqueles que outrora estavam abertos e se mexiam. Uma guria de atitudes estranhas, entediada com o mundo e com todos os seus habitantes. Uma guria que, a estas horas, não sabia que aquele, a quem quotidianamente xingava de idiota, quando não, de coisa pior, jazia ao pé de São Pedro a implorar pelo perdão divino pelos erros que cometera em vida.

Quanto ao vulto chamado Kyon, dele ninguém sabe. A ele, ninguém viu.

O caso do misterioso suicida foi noticiado na televisão,como era se de esperar. Nossa, esses mercenários da notícia! Por causa deles, na manhã seguinte, os jornais de papel e de internet, a texto e a foto, noticiaram o fato.

Haruhi estava a ir para o colégio, último dia de aulas. Ela passa por perto de uma banca de jornais. As normais notícias de sempre — que, é claro, ela detestava, por entediantes a ela serem — estavam lá, estampadas em manchetes e fotografias, para todo mundo ver.

Ela seguiu para o colégio. A carteira à sua frente, na qual Kyon havia de se sentar como de costume, hoje estava vazia.

Burburinhos à parte, Haruhi saiu da sala durante o intervalo. Pelos corredores corria algo. Uma conversa, como que repetida pelo vento, se espalhou por todo o colégio. Ela não quisera dar ouvidos. Estava muito indignada por causa de Kyon ter faltado a aula, naquela manhã. Será que ele está tentando se afastar da brigada SOS? Era o que ela dizia consigo mesma. E assim seguiu, até depois das aulas.

Ela se dirigiu à sala da brigada SOS. Ao abrir a porta, como sempre, de forma abrupta e triunfante, se depara com uma Asahina-san em prantos, cujas lágrimas se escorriam dos olhos. Koizumi estava parado, nada dissera, parecendo aguardar uma explicação lógica e racional da chefe da brigada para o ocorrido. Nagato, como sempre, lendo naquele canto, não parecia ter sido afetada pela situação. Enfim, um silêncio aterrador tomava conta da sala da brigada. Esforço de uma Mikuru em não soltar um gemido que fosse.

— Ei, pessoal?

Ela não consegue entender o porque daquilo. Afinal de contas, não era um espaço restrito. Era o normal espaço da sala da brigada. E todos ali, como de costume. Todos, menos...

— Ué? Kyon? Onde você está?

Ela gritou tal frase como se ela soubesse que Kyon estava às escondidas. Mas isso não era do feitio dele. Ele se sentava à mesa, ficava a jogar com Koizumi. Sempre o havia encontrado assim, desde que Koizumi-kun havia entrado para o clube.

— Você é a única que não sabe, não é? — disse Koizumi a ela.

— Onde ele está, Koizumi? Onde???

— Na internet. — respondeu o esper, apontando o computador que, um dia, havia sido levado à força da sala do Clube de Informática, numa espécie de extorsão misturada com chantagem caluniosa.

— A-há! Não me diga que ele conseguiu entrar no computador, não é?

Pois bem. A guria se dirigiu à maquina, que estava no descanso de tela ( o nome da Brigada SOS pairava na tela a momentos regulares). O descanso de tela sai de cena, dando lugar a um site de notícias, cuja foto estampada em destaque lhe chama a atenção.

— Kyon... MORREU???

Seus olhos cor de ébano fitaram a tela, atônita. Um misto de raiva e desespero pareceram tomar conta de seu semblante. Seu rosto parecia tomar uma confusão de expressões, como se diversos sentimentos quisessesm se manifestar em desordenado caos. Como alguém que é levado pelo vento de um tornado, Suzumiya-san se sentiu deslocada da realidade. Um piripaque a acometeu, e assim esteve durante todo o resto da tarde até a noite, e atravessou a madrugada, até o romper da manhã seguinte, quando o sono, sobre ela, desabou.

À manhã do terceiro dia, Haruhi acorda, rodeada pelos integrantes que haviam restado. Procuravam saber se ela estava bem, se ela queria um pouco de chá ou mesmo, uma simples água com açúcar. Mas nada parecia a consolar.

Ela, então, decide ir até Tóquio, levando consigo a parte da página que ela havia imprimido do site. A foto de um Kyon desacordado, desavivado. A imagem de um Kyon, defunto.

Ela vai a Tóquio. Koizumi, Mikuru e Nagato a seguem.

A notícia dizia que ele fora levado ao hospital de Shibuya, mas que já chegara lá sem vida. A esta altura, ele se encontrava no necrotério.

Eles, à guisa de perguntar a esse e a aquele fulano pelas ruas, chegaram ao hospital. Haruhi se dirigiu ao atendimento, acompanhado por eles.

— Onde Kyon está?

— Sinto muito, mas eu não sei de quem se trata.

Ela, então, resolve mostrar a foto à atendente, que reconhece, pela foto, aquele que havia dado entrada, já sem vida, há dois dias. Ela, então, diz que sabe de quem se trata, mas explica que, pelas normas do hospital, somente a família do defunto poderia ve-lo.

— Eu sou a namorada dele, tá bom?

— Se é assim, tá bom.

Ela chama um dos enfermeiros; este os conduz para a sala do necrotério onde, sobre uma mesa de mármore fria, o corpo de Kyon jazia. Estava coberto por um lençol branco, de algodão. O enfermeiro, então, descobre-lhe a cabeça, a fim de que seu rosto se faça patente.

— Kyon...

Provavelmente, esta é a primeira vez que a guria dos olhos tom de ébano se depara com uma cena verdadeiramente triste. Inúmeros foram os momentos em que ele, mesmo sendo xingado por Haruhi, parecia não se importar por isso. O que a irritava profundamente. Não que isto viesse a acontecer de novo. Porém, naquela hora, ela sabia que não seria o mesmo. Tudo havia mudado a partir do momento em que Kyon partira. Se desta para a melhor, se ascendido ao Pléroma, ou se aniquilado no Nirvana, não o sabemos.

Ela sempre soube que poderia gritar com ele deseducadamente, ou chamá-lo de idiota o quanto quisesse e pudesse, que ele não se importava com isso. Ou, pelo menos, ele não parecia mostrar se importar com tanto. Porém, ela percebe que ele não virá mais. Ela se lembra dos dias passados em que, mesmo que ela gritasse com ele hoje, amanhã ele viria novamente, mesmo que apenas para receber a sua dose diária de afrontamento gratuito. Contudo, esses dias, ela percebera, haviam se tornado num passado. Num passado imutável, frio e distante. E se antes ele não a revidava em seus insultos verbais, é que Kyon a costumava relevar, tal como eu, muitas vezes, o fizera em relação ao Zé. Mas agora, isso mudou. Ele não mais a relevaria. Ele ignoraria sim os seus insultos. Todavia, não como um humano vivo, e sim como um simples corpo. Um corpo sem vida. Um objeto inanimado, cuja curta existência coincidira, em parte, com a de Suzumiya Haruhi.

— Idiota! — fez questão de lhe dizer, num susurrar ao pé do ouvido

.........................................................................................................................................

Kyon teve o seu corpo cremado, cujas cinzas lançadas foram no mar do Japão.

Haruhi, contudo, havia pedido para guardar para si um pouco das cinzas, as quais foram postas numa cápsula de acrílico, inquebrável, inviolável. E assim passou a leva-las consigo, para onde quer que fosse.

A Brigada SOS acabou. Para ela, sem Kyon, ela não teria mais sentido de existir. Haruhi seguiu sua vida, da mesma forma que sempre.

Algo dentro dela, porém, havia mudado. E o tempo, só este nos dirá o quanto.

F I N E
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://digialchemist.blogspot.com
 
FANFICS!!!!
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Suzumiya Haruhi no Yuuutsu :: Suzumiya Haruhi no Yuuutsu Portugal :: Fanfics e Fanarts-
Ir para: